Páginas

22 de agosto de 2010

Drama, Drama e Drama!

Estava pensando aqui nos blogs que eu leio todos os dias ( ultimamente não, pois o tempo está escasso ) - já adianto que eu gosto de todos, cada um por uma caracteristica específica, mas quero falar um pouco do Life is a Drag hoje. Uma das coisas que eu mais gosto nesse blog é que Liana Queridona ( ) sabe falar de suas tristezas e de seus dramas de uma forma tão elegante que nem parece que ela passou ou passa por tudo aquilo. Quando leio não vejo uma pessoa amargurada ou envolvida nos seus problemas ( e umbigo ) de forma a não enxergar o sofrimento e dramas alheios. O que enxergo lá é uma pessoa forte, uma pessoa com uma história de vida rica e que soube e ( sabe ) tirar das adversidades combustível para ir a diante.

Eu juro que eu queria ser assim! Não que eu não seja forte, não é isso, mas eu não sei se é a velhice experiência ou se é o fato de já ter me ferrado muito, mas hoje eu não consigo abrir o meu coração - não assim, tão explicitamente. Na verdade eu falo das minhas coisas mais íntimas com pouquíssimas pessoas - e sempre no meio de um monte de piadas e isso me faz bem. Eu acho que as pessoas tem muito o que fazer, tem os seus próprios problemas e não estão a nossa disposição ( e nem tem que estar ) 24 horas por dia. Manja aquela historinha "Fulano, eu com um problema assim, assim e assado" e o Fulano te responde "Ah, mas isso é porque você não sabe do MEU drama, porque EU, EU, EU ... ". Gente, como isso cansa a minha já pouca beleza! Não pensem que eu sou uma pessoa sem coração, não é isso, mas eu acho que pra gente chamar uma pessoa de "Amigo" é preciso haver troca - hoje você tá mal, eu te carrego e eu sei que quando for a minha vez você estará ai - hoje estamos bem, então vamos zuar e dar risada, ou vamos fazer tudo ao mesmo tempo porque a vida é breve. Fora que as vezes as pessoas só querem ficar quietinhas no canto delas ... todo mundo tem momentos assim, mas em alguns casos, isso é proibido! Quem é você para ousar desaparecer e não ouvir os meus problemas? Poxa, será que é tão difícil entender que o fato de uma pessoa querer ficar quieta no seu canto não tem nada a ver com estar brava com alguém. Respeitar o espaço e os limites do outro também faz parte de "ser amigo". Além disso, eu tô num ponto da minha vida que não tem mais ou menos isso ou aquilo - ou é ou não é - simples. Se é, prove, se não é, vamos falar de futilidades e a vida segue. Não preciso mais ser popular, ter 58526 amigos no Orkut e nem viver de aparências.

E já adianto que este post não é pra ninguém em específico, que não estou querendo brigar e que, pelaúltimavezpelamordeDeus - Não estou brava com ninguém, só quero ficar no meu canto!

Beijos!

Sah

4 comentários:

Liana disse...

obrigada pela parte q me toca =P

(falar de forma elegante foi ótema... eu não acho não, mas se vc tá dizendo...).

Curte aí seu canto... e apareça de vez em quando viu dona Sah.

Lydia Llewelyn disse...

Tbm leio o Life is a Drag.
E gostei do seu blog tbm.

Mônica Alves disse...

Quando evoluímos sempre buscamos algo melhor... e como você disse... deixamos as futilidades de lado....

Bjus

Irmãs disse...

Quem sou eu para dizer se evoluo ou se deixo de ser futil ou não, Mô! A questão é bem mais simples do que essa - ande certo, se junte a pessoas certas e tente ser bacana com todos que as coisas acontecem! Ninguém pode esperar que a sua vida seja boa se sai por ai espalhando o mal - entendo que bem e mal são coisas relativas, mas simplificando mais ainda, é só não fazer com os outros o que você não gostaria que fizessem contigo que já é uma grande coisa!

Grande Beijo!

Sah