Páginas

22 de abril de 2010

Desabafo!

Antes de mais nada é preciso dizer que todo mundo sabe que eu sou uma pessoa, digamos, facilmente irritável. Mas nada no mundo, nem me xingar do pior palavrão que possa existir me irrita mais do que um simples olhar de desaprovação para a Clarinha - tirando famíliares, óveo - família ajuda pra caramba nessa fase de manhas intensas que Clarinha está - até peço dicas para melhorar a situação e pra aumentar a minha paciência também - quem é mãe sabe que é duro falar não 1254896210 vezes por dia pra mesma coisa, ter energia pra correr atrás deles o dia inteiro e ainda ter que cuidar de todas as outras coisas - vocês acham que eu esqueci a torneira da pia do banheiro e sai de casa a toa?

Pois bem, vou contar o que aconteceu ontem e me deixou deveras embitchecida. Fomos ao supermercado comprar algumas coisas para o jantar especial que resolvi fazer ( depois eu conto no que deu ) e Clarinha simplesmente queria colo ao invés de ir dentro do carrinho, como de costume. Bom, fizemos o de sempre - demos duas opções - ou carrinho ou carrinho, se o mercado não estivesse tão cheio, até daria pra ir andando. Ela fez o que TODA criança faz quando é contrariada - abriu o berreiro, mas foi dentro do carrinho e fim de papo. Daí começou o inferno - as pessoas começaram a olhar, mas com eu percebi que as mesmas eram casais sem filhos eu ignorei, porque quem não tem filhos ainda tem o péssimo hábito de achar que seria um ótimo educador -dos filhos dos outros. Eu sei disso porque EU ERA ASSIM - era toda craque em Piaget e Winnicott pela minha quase formação e costumava mesmo dar pitacos ( mesmo que em pensamento ) na educação dos filhos alheios. Por isso sei que as pessoas que olharam e olham vão passar pela mesma situação - eu só dou risada por dentro e penso - a hora de vocês VAI CHEGAR. Além de pensar, tome tonta, quem mandou ser como era ... quem disse que teoria cria filho?

O que me deixou revoltada foi um casal com uma bebezinha de mais ou menos 6 meses. A Clarinha já tinha parado de chorar e estava se distraindo com as compras e eu precisei voltar o corredor para pegar algo que havia esquecido quando ouço a mulher falar para a bebezinha: Olha filha, nunca seja mal educada como aquela menina ali. Ela não percebeu a minha presença, óveo - só me ouviu dizer à ela - PODE TER CERTEZA DE QUE ELA SERÁ PIOR! E nisso ela e o marido arregalaram os olhos, baixaram a cabeça e saíram rapidinho de onde estavam. Sabe, odeio esse mimimi de alguns pais e mães de que o seu filho é ou será melhor do que o filho alheio. Manja aqueles que pensam que os seus filhos são os mais educados, os mais inteligentes, os mais bonitos, os mais mais tudo? Esses com certeza mais dia ou menos dia vão se estrepar.

Como eu sei que alguns estão se perguntando ao ler este post - Por que eu simplesmente não mandei a minha filha ficar quieta e pronto, vou explicar pra vocês o que se passa nessa hora dentro da cabeça e do coração de uma mãe:

1 - sensação de impotência - todos vocês diante da manha de uma criança já ouviram a mãe da mesma falar - Ele(a) não faz isso em casa - ACREDITEM, É VERDADE! Em casa o papo é outro ( pelo menos aqui em casa é ): Clarinha se jogou no chão porque eu não dei ou não deixei brincar com determinada coisa, é por lá mesmo que ela vai ficar - eu saio andando e ignoro, mesmo com dor no coração pois sei que se eu der ou fizer tudo o que ela quer estarei criando um monstrinho. Resultado? Ela se levanta rapidinho e vai brincar com os brinquedos dela. Quanto mais você fala e ameassa pior é - mais eles choram, mais manha fazem e por aí vai. Ignorar as vezes é a melhor coisa.

2 - dor no coração - as pessoas pensam que não, mas dói e muito você não poder ou simplesmente não dar porque acha que não deve ao seu filho e vê-lo chorar. Uma definição melhor do que doer simplesmente, é rasgar por dentro. E as pessoas ao redor olhando só aumentam mais essa dor. Fora a irritação, porque é um saco mesmo aquele choro constante, só que temos que ter paciência e ponto. Vai fazer o quê? Bater a cabeça na parede, perder o controle? Filhos testam a nossa paciência 24 hrs por dia. E outra - eu prefiro falar NÃO pra ela hoje do que ela ter 5 anos e continuar fazendo manha.

Por esses motivos que eu até entendo os olhares de incomodo da turma dos "sem filhos". Eles simplesmente não entendem o que é sentir isso. Agora, da turma dos com filhos é da "medalhinha pra cima mesmo". E se tiver bastante gente ao redor, melhor ainda pois a vergonha que irão passar é maior.

Beijos!

Sah

6 comentários:

Liana disse...

não tenho filhos, mas te entendo...

e aí: não sou uma das sem filho q fica reprovando... Passeio demais sozinha com os sobrinhos por aí pra saber q não se deve reprovar os outros. Criança é criança né, faz manha, chora e várias outras coisas chatas, mas q fazem parte de ser criança.

Irmãs disse...

Tá vendo Liana ... por isso que vc é F ... antástica! hahahahahahahhahaha
Vou colocar um adendo no post mais tarde!

Fabi Coltri disse...

Te entendo perfeitamente...
A Soft é daquelas que se contrariada empaca...

Eu deixo elas empacada, e sigo minha vida!


E tb se percebo olhares, mimimi sobre minha filha eu parto logo pra cima!

Quer falar?
Vai falar, sem dente e comer polenta pro resto da vida!

Beijos

MeL disse...

rsrsrsrsrs.... é pois é... eu ja senti esses olhares, que tb ja dei, n é muito legal!

Flávia Romanelli disse...

Eu saia andando e deixava o Enrico empacado, rapidinho ele vinha atrás de mim. Todo mundo passa por isso, paciência!

Ellen Lacerda (Elinha) disse...

Sah, não tenho filhos, mas te entendo sim!
Manda esse povinho que apenas julga sem sequer querer compreender a situação dos outros se catar!
Tenho certeza que vc tem amor pela sua filha e procurará dar a melhor educação possível para ela, e não importa o que digam ou pensem, esse tipo de amor é o maior bem que um filho pode receber!
xero linda!