Páginas

19 de maio de 2009

Velha Infância - Parte II

Faz algum tempo que eu tô para escrever este Post. Nos últimos dias andei ocupada consertando a "crise de gastroenterite" que fiz com o template do blog e acho que enfim, consegui. Como sempre, sugestões e críticas são benvindas!

Inspirada por belos Posts escritos por  do "Necessaire" e Flávinha do "Entre Telas" criei coragem e estou aqui para abrir o meu "Coraçãozinho DiegoSouzista" e falar um pouco da minha infância. 

Cara, minha infância foi maravilhosa! Eu e LUM brincávamos muito! Brincávamos de casinha, de barbie, escolinha, lanchonete, churrascaria, cerimonia de casamento e de muitas outras coisas, mas quero destacar uma brincadeira em especial: Rosemary.

Tá, doida, e o que "É brincar de Rosemary"? 

Rosemary era uma brincadeira em que todas as crianças da rua eram chiques, ricas e importantes e cada uma, em sua casa, montava a sua casinha ou melhor dizendo: Sua Mansão. E todo mundo era parente. Os meninos eram nossos maridos ( muita calma nessa hora ... eles ficavam andando de bicicleta e só voltavam para casa para comer os doces, que eram de verdade, e voltavam para o "trabalho" novamente ) e a grande briga era para saber quem seria a "Rosemary" da vez! A LUM nunca quis ser "Rosemary" pois ela tinha um "nome" escolhido por ela que não revelo nem sob tortura de tão feio que era. 

O mais legal dessa brincadeira é que eu e LUM sempre éramos irmãs. A nossa casa era dividida em duas por motivos óbvios. Mas, a gente "telefonava" uma para a outra e o diálogo era mais ou menos assim: 

- Oi, Irmã, tudo bem, Irmã?
- Tudo bem Irmã, e com você Irmã? ( crianças ... )
- Tô indo na sua casa tomar chá!
- Beijo!
- Beijo!

E, "dois segundos" mais tarde, eu avistava da "minha casa" LUM passando batom, colocando sua echarpe ( lençol de quando éramos bebês que Mamis nos deu para brincar), óculos escuros e "amarrando" os filhos no tico-tico ( detalhe importante: As "crianças" iam batendo a cabeça no chão durante o trajeto ) . Gente, só de lembrar da cena já estou rindo. Ontem, não consegui dormir por conta de uma crise de risos me lembrando disso. Mark Darcy, não entendendo nada me perguntou o porquê de tanta alegria e quando eu contei, desandou a rir também. 

Doces e maravilhosas lembranças! Engraçado, quando somos crianças não nos preocupamos com nada né ... só se vai ter sol no dia seguinte para brincar e se não tiver, brincamos de outra coisa. Não vejo o mesmo entusiasmo que tínhamos nas crianças de hoje e antes de mais nada, tudo o que vou escrever aqui são constatações mediante minhas reflexões e não julgamentos, mas acho que as crianças de hoje, especialmente as meninas, não são mais crianças. O que eu vejo são "mini-mulheres", preocupadas com as unhas, sobrancelhas e se as roupas estão amassadas ou não. Aí entra o Post da Flávinha sobre propagandas, onde ela escreve que " há modelos  ( de sapatos infantis )para todos os gostos de meninas, as românticas, as descoladas...desde quando garotas de 5 anos são românticas ou descoladas?!?!" Concordo Plenamente!  Mães, Pelo Amor de Deus! Mandem as suas filhas irem brincar, se sujar, se divertir e SER CRIANÇA. Elas terão uma vida inteira para cuidar do corpo e da imagem! Como estas crianças vão crescer? Dando valor somente à aparência e ao consumo? Este mundo tá ao contrário mesmo!

Conheço pessoas que se preocupam em ter filhos por conta do "mundo em que vivemos". Mas, será que o certo não seria pensar em "que filhos vamos entregar ao mundo em que vivemos"?

Beijos!

Sah

9 comentários:

Flávia Romanelli disse...

Ai tô me sentindo toda importante por ser citada com tanto carinho no Coisas, tô até me sentindo a Rosemary hahaha
Sah, amei esse post, ri muito lendo, minha infância também foi parecida. Eu só tenho um irmão, mas brincava com minhas vizinhas de orfanato. Juntávamos todas as bonecas e cuidávamos de todas, e meu irmão sempre era o médico rsrs
Obrigada pelo carinho.

Bjão

Irmãs disse...

Oba ... vamos "todo mundo" aqui do brogui brincar de Rosemary? Flávinha, vc me deu uma idéia diabólicamente MÁ ... hahahahahahahahaha

Beijos, não precisa agradecer!

Sah

Luciana disse...

Eu "fumava" as bitucas de cigarro da mãe!!! Pegavo no cinzeiro e fingia que era cigarro!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

E pensar que depois disso, nunca mais fumei na vida!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Priscila Tieppo disse...

Gente, aproveitar a infância é mto bom!!! Na nossa época, pelo menos, a gente podia ficar na rua e brincar bastante sem correr muitos riscos, já hj em dia...Ai que saudades daquela época! Belo post! Bjs

twitter: levolponi disse...


Que bom que gostou do meu blog. Dá uma conferida nesses dois também:

http://pequenoguiapratico.blogspot.com/
http://maedeprimeira-paloma.blogspot.com/

São muito bons!

Fabi disse...

Adorei a parte dos filhotinhos indo passear e batendo o coco no chão!!!
Hahahaha...

Adoreiii.....
Ri um monte tb...

Bjãooo

Irmãs disse...

Coisas de Lulis ... e ela fumva as bitucas brincando de "Mercadinho do Seu Joaquim". Detalhe, ela era o Seu Joaquim pq ficava no caixa ... sempre gostou de uma bufunfa essa menina ... hahahahahahaha

Sah

disse...

AI q saudades da minha infancia me deu agora.
Queria tanto que a Maria Ísis pudesse desfrutar de coisas simples assim.
Aqui no Rj nõs tinhamos o Mercado Pamplona (minha prima que inventou esse nome não me pergunte o porque)e a família de ricos tinha o sobrenome Monteiro Miranda kkkkkk.
Muito bom o post. Beijocas.

Flávia D'Álima disse...

Olá Coisas e Coisinhas tudo bem?!!!
Na infância eu e meu irmãozito gostavamos de correr perigo (sem ter a menor noção de que era perigoso). A última brincadeira animal foi a de fazer fogueirinha, fizemos meu irmão e eu uma fogueirinha de santinhos (era época de eleição), bem embaixo do ex Passati vinho do meu pai, que nos emprestou o isqueiro para acendermos a fogueirinha. Totalmente sem noção esse meu pai, que só depois de décadas foi ver o que queríamos com o fogo dele, primeiro se desesperou, depois esbravejou só não estapeou porque não era violento, quem cuidava dos eventuais tapas era a minha mãe.